quinta-feira, 30 de março de 2017

[Resenha] Um Estudo em Vermelho e O Cão dos Baskervilles

Um Estudo em Vermelho

(leitura: agosto/2011)

Autor: Conan Doyle
Editora: Abril Cultural
Págs: 288
Ano: 1984

O livro e eu:
Depois de anos relutando para não ler um Sherlock Holmes, acabei sendo vencida pela minha própria curiosidade e percebi que eu perdi anos de uma ótima leitura.

Resenhando:
O livro que eu peguei tem duas histórias do detetive: UM ESTUDO EM VERMELHO e O CÃO DOS BASKERVILLES. A primeira história é a própria apresentação do detetive, a narração de Watson em seu primeiro encontro com essa figura singular.
A minha antipatia aos livros de Conan Doyle era apenas preconceito, pois imaginava que uma história escrita em meados de 1.700 já devia ter todo seu conteúdo desgastado pelo tempo.
Doce ilusão e surpresa a minha pois jamais vi história e personagens tão vivos. Holmes é um personagem inteligentíssimo, astuto e convencido, ele sabe que é bom, mas o que se pode fazer? Ele é bom e pronto. Nos fascina, nos encanta com suas deduções, como um labirinto simples se torna simples estando em suas mãos, como ele se torna irresistível nas nossas.
A primeira estória, de dois assassinatos consecutivos e da revelação final é uma obra de um mestre. Brilhante mente de Conan Doyle. Ele cria também o dr. Watson, um personagem mais humano, que se torna amigo de Holmes e tenta empregar também seus métodos de dedução.
As histórias do grande detetive Sherlock Holmes não seriam as mesmas se não fossem narradas pelo brilhantismo e percepção do caro Watson. E para entendermos crime, precisamos de um fkash back de várias décadas atrás.
Com um roteiro ágil, empolgante e cheio de ação, percebi que perdi anos de boa leitura relutando em ler Sherlock Holmes, porém, antes tarde do que nunca, vou à caça de mais livros.


CAPAS:






 O Cão dos Baskervilles

(leitura: agosto/2011)

Essa história eu devorei e amei porque sou louca pos estórias de terror e é sobre isso que ela se trata.
A história é sobre um cão do inferno que mata todos da família Baskerville na mansão deles, assim só resta dois membros da família. A maldição começou quando Hugo Baskerville embebedou e molestou uma jovem. Nessa mesma noite moradores viram um cão grande e negro correr até Hugo e matá-lo.
O dr. James Mortimer procura Sherlock para falar da morte de Sir Charles Baskerville na charneca da família que estava residindo lá a apenas alguns meses e do lado do seu corpo de semblante assustado foram encontradas pegadas de cachorro.
Com a morte dele somente um Baskerville sobrou: Sir Henry que teria que morar na mansão para receber sua herança. Eles convidaram Sherlock Holmes para ir junto com eles e assim descobrir o que houvesse de errado, mas alegando muitos trabalhos (afinal, Holmes já era um detetive de fama bem conhecido) selecionou Watson para ir com o jovem Henry que o manteria informado diariamente com suas bem escritas cartas.
Ainda na cidade, fatos estranhos aconteceram, como uma carta de ameaça ao último Baskerville, entre outros como o sumiço de botas suas.
Além dos boatos e uivos de cachorro à noite, o campo estava perigoso pois um fugitivo da cadeia estava nas redondezas.
Pelo menos, Sir Henry tinha vizinhos bem agradáveis e prestativos e uma jovem conquistara seu coração.
Não acertei o final, tratando de Holmes não é fácil acertar, no entanto, adivinhei quem era o homem da charneca.
O mais interessante e peculiar é o fato de que Holmes se baseia em fatos, então, irá ele aceitar que maldições sobrenaturais existem?
Recomendo muito!


Nenhum comentário:

Postar um comentário